Atmosfera

Não era para ser assim, mas sucumbi aos apelos dos teus, que me atazanaram aos montes pedindo que eu te escrevesse. Não houve nada, não houve culpa. Tu não és a responsável por nada, não causastes o fogo – acho que nem te aquecestes com ele. Eu achava inocentemente que isso era notório, mas ao que parece, a tua vida tem sido sufocada por duvidas e sentimentos inúteis como a culpa. Pois, eximas esse teu peito da dor pois de ti não guardo nada além de superficialidades. Para te ser sincero acho que toda a balbúrdia não teria sido, caso eu entrasse naquele bendito avião que me levaria para longe. Talvez esta carta seria diferente. Talvez de saudades minhas, talvez de alívio.