Débito

Comprou um celular novo e um vestidinho. Comprou um par de botas, uma carteira de couro tingido e meias longas que vão até o seu joelho arredondado. Comprou um livro importado com fotos de senhoras idosas fazendo sexo. Também uma biografia de um ícone gay dos anos 90. Ainda, antes de voltar para a casa, ela tomou um café meio amargo e uma água com gás no restaurante de um hotel de um designer famoso.
Chega enfim ao seu prédio, com um sorriso cansado, que evapora ao entrar no elevador e ver no espelho o próprio rosto. Entra no apartamento, larga as bolsas, sentando no sofá meio sem jeito. Respira por um segundo e pega o celular novo. Olha atentamente para a tela, e titubeia. Lembra do email que recebeu de manhã cedo. Ela quer ligar para alguém, mas não sabe quem. Ela anda pela agenda com os dedos, devagar, considerando cada nome, inclusive o de desafetos. Não há para quem ligar nesta tarde de quinta-feira e, num relance, olhando para todas as sacolas de compras jogadas pelo tapete da sala, Chrissie percebe que falhou.