Licensed to be wrong.

Sobre o que eu fiz naquele carro ninguém perguntava. Todos me olhavam, com um misto de pena e curiosidade. Todos apertavam o meu ombro, depois de um rápido e constrangedor cumprimento – ás vezes eu acho que só eu percebo essas coisas. Eu havia deixado uns papeis em um envelope no porta-luvas e tudo o que eu queria era sair dali, pega-los e me mandar. Mas não era a hora, eu tinha que dar algumas explicações, cumprir tradições sociais a ter o meu ombro apertado por pessoas que eu não ligo muito. E aquele garoto de olhos claros que estava dormindo no sofá me deixava em paz. Lembrava o meu irmão, quando pequeno e me dava uma sensação de que eu estava na minha infância quando eu tinha a certeza de que tudo sempre ia se resolver. A certeza de que eu não pagaria o preço. A verdade é que eu não estava abalado. Nem preocupado. Sabia das conseqüências e sabia que não tinha como escapar.