O Segredo Produzido em Massa.

A palavra segredo é por definição exclusivista. Segredos e comunicação de massa eram antagônicos. Depois, no pós-guerra, meia dúzia de macacos passaram a passar certas mensagens ‘secretas’ à poucos, por meio da comunicação de massa. Era uma masturbação mental, um trote, e um fiasco – pois nada representava, muito menos significava. Outros macacos foram mais longe e resolveram induzir as pessoas à determinados comportamentos por intermédio da mensagem subliminar. Mas logo uns gorilas malvados castraram a idéia com uma cadeia de leis que davam cadeia. Depois as sociedades secretas voltaram a tentar usar a comunicação de massa para nada mais nada menos que demonstrações inúteis de poder – uma vez que só conseguiam receber aqueles que partilhavam desta sabedoria. E finalmente, chegou a vez de um outro grupo de macacos, os bigüínos. Estes conseguem emitir segredos de forma clara e direta, somente para quem eles querem que veja, e sem nenhum medo de represálias ou interpretações errôneas.

Na Inglaterra, onde o verbo e a leitura são tão presentes quanto chinelas coloridas na praia de Ipanema, há classes sociais definidas por lei. As pessoas tem tratamento diferenciado de acordo com o papel que representam na sociedade. Ou o papel que acham ter.

Como aqui.

Mas não temos leis para isso, temos uma coisinha deliciosa e funcional chamada hipocrisia feudal. O tratamento que um sujeito branco, de óculos e camisa de botão num Honda recebe em qualquer situação oficiosa é muito diferente do que um sujeito de cabelos crespos e camisetas promocionais recebe andando à pé. Pois. O Brasil é conhecido por suas diferenças sociais. Vivemos em dois mundos, só dividimos as ruas.. Nós, que acessamos a internet em casa, temos tv a cabo e um terceiro grau merecido ou não, recebemos informações que a maioria do resto do país não recebe. Não que ela seja relevante, isso é uma tolice. Ter assistido a um episódio de Caroline In The City, saber quem é o Diogo Mainardi ou comprar na Amazon não faz ninguém mais interessante. Se fosse assim, minhas noites seriam melhores. Se você se descreve no Orkut não com adjetivos que definem a sua personalidade superficial e provavelmente muito próxima a todo e qualquer outro macaco que lá está, mas com a cultura que você consome, acredite, você não está sendo melhor que ninguém, apenas dizendo aos 12 débeis mentais que também compraram o Codigo da Vinci que você faz parte desta suposta classe social. E que medo nós temos de sermos confundidos com alguém que ouve Calypso não é não?

Pois eu tenho uma coisa para te contar, criatura especial, cheia de conceitos morais, com resposta para tudo, que não dá esmola para não sustentar mães de aluguel ou pais bêbados, que compra um iPod de 3 contos mas que não compra cds originais de 20 reais, tu que fizeste um intercambio uma vez em 99 e agora se sente no direito de pintar os cabelos, de tu que não dás os 10% quando o prato demora, mas que te masturbas pensando no dia que terá dinheiro suficiente para uma calça da Diesel… há um segredo no mundo que desprezas, mas que não vives sem. Há uma conspiração no universo das pessoas que te servem o café, que limpam a tua casa quando tu decides cozinhar imitando o Jamie Oliver - mesmo sem talento. Há uma carta na manga no meio daqueles sujeitos de quem fazes chacota porque assistem o Gugu, e não a maravilhosa Oprah, aqueles tipinhos que pegam o onibus cheirando a perfume barato que remete ao Neutrox 1. É confidencial, e ao mesmo tempo está estampado na tua testa, está aí para quem quer ver… e nem é preciso ter merecido o diploma da UERJ para tal.