Paliativo Mór.

E mesmo parecendo um índio, com esta pele de urucum que tão pouco me identifica, eu ando pelas ruas com o meu indefectível Aviator falso, e meu companheiro de dor e gozo, Feferéu. O que toca, agora não importa. Sério. Eu ando, e vejo as minhas sinas, meus pecados e minhas mentiras correndo em torno de mim, como parasitas, vivendo muito bem. Recebo uma mensagem, mais uma ninfeta querendo se mostrar para mim. Recebo outra, minhas parcas qualidades são o vícios de algumas almas perdidas. Continuo andando, piso firme mesmo com o peito em chamas. Por dentro e por fora, uma vez que passei bronzeador fator 2 numa pele virgem. Passo em frente a chocolateria que te trouxe para mim. Sinto um certo desprezo, tanto por ela quanto por ti, mas ainda se encontram alguns bombons doces lá dentro. De ti, só tenho amargura. Em ti, não entro outra vez.

Eis que Feferéu me pega de jeito com uma surpresa, mesmo tendo eu visto de tudo no mundo. Eu já viajei clandestinamente embaixo de um banco de trem sujo, que me criou uma alergia que guardo até hoje. Guardo melhor do que as tuas fotos, que já prezei mais que agora. Eu já vi negras sem celulite dando a luz na África, já vi ouro, já vi mortes. Já perdi a respiração algumas vezes, já tive que despressurizar para chegar a tona. Já morri, já matei, e já comi até ficar triste. Eu uma certa vez joguei um carro no Rio Sena para ajudar a um amigo a fugir da banda que ele tinha, e que tanto lhe tirava o sono. Foi dado como desaparecido. Já vivi tanto, que tal como um mitômano, tive experiências reais e as versões que eu consegui lembrar, ou que decidi, ou que pude contar. E ainda assim um filha da puta de 10cm me causa um calafrio que não sinto desde aquela noite de mentiras. Ele, tão perto do meu ouvido, me conta baixinho um poema que me destrói, e que me supera. Ei-lo:

Eu quis estar contigo, só nós dois, e falar sobre o tempo.
Mas o comportamento repetitivo que eu noto quando olho essa tua cara de anjo me chama a atenção
Tu manténs a distancia com um sistema de toques e uma persuasão suave.
Eu me perco em admiração, como eu posso precisar tanto assim de ti?
mas tu só queres me fazer perder tempo, só, só mesmo me fazer perder tempo.

Algo acontece e eu fico de ponta-cabeça, eu não me toco até ficar de ponta-cabeça
Algo acontece e eu fico de ponta-cabeça… ah…
Não leve meu coração, não quebre meu coração, não…
não o jogue fora!

Eu fiz uma fogueira e enquanto a via queimar, pensei no teu futuro.
Ainda com um pé no passado, mas agora, quanto tempo isso vai durar?
Agora, agorinha… Tu não és ambiciosa?
Minha mãe e meus irmãos sempre foram inocentes e sonhavam com uma carreira para mim.
É duro ser um homem quando se tem uma arma na mão, eu me sinto tão…..

Algo acontece e eu fico de ponta-cabeça, eu não me toco até ficar de ponta-cabeça
Algo acontece e eu fico de ponta-cabeça… ah…
Não leve meu coração, não quebre meu coração, não…
não o jogue fora!

E esse é meu amuleto… Eu dou a cara a tapa, estou aberto, e esse é o meu trevo de quatro-folhas…

Na minha cabeça – se liga – um garotinho, um homem, estranho como o tempo passa.