Sobre a futilidade e o exercício do ego.

O meu total desacordo com o ambiente em que vivo, onde falo uma língua para comprar pão e outra para ganhá-lo, é a causa desses atos tão contraditórios. Ou talvez a conseqüência. Este sítio é um exemplo da minha dissonância existencial, onde escrevo para ninguém e ainda assim decido gastar alguns milhares da moeda local para mantê-lo – e renova-lo. É como a frígida, feia, que teima em mandar o vestido de noiva para tinturaria todo ano, mesmo sabendo que nunca vai se casar. Ao menos meus textos não vieram de um brechó em liquidação por conta de um despejo. Acho também que a fantasia da coitada, a de um dia, quem sabe viver o que vê em novelas diurnas não pode ser comparado com a minha futilidade, minha vaidade estética. Ainda que eu imagine que talvez alguém me leia neste canto aqui, meu sonho nunca foi ser achado – mas sim, achar-me. Quem sabe algum dia desses uma doce leitora me escreva dizendo que me leu e que sabia o que eu estava falando, ou que me achou másculo, tendo somente essa papagaiada toda que pus para enfeitar as escritas como referência. Quem sabe. Mas essa nunca foi a idéia.

Haja forças, haja estímulo, devo eu aqui continuar a contar umas coisas que há muito me esqueci – ou ao menos o quis. Devo rasbicar coisas na minha cabeça e as digitar sem um backspace sequer, sem titubeio, como quem desabafa o discurso que ensaiou no espelho de um hotel barato. Eu devo acima de tudo, entre o fato e a lenda, publicar a mentira, a sujeira que a faria enrubescer, mas que adorna meu ego. Como este novo desenho.