Vampirismo.

É assim, vou te contar. No fundo eles queriam o que eu procuro, um sentimento puro, não bobo, imaturo, mas puro. No fundo eles invejam quem tem isso no peito. Quem não liga para os outros, para como dinheiro ou beleza pode influenciar no quanto se é amado. Quem quer alguém de verdade, de corpo e alma. No fundo eles sabem disso e, mais do que eu e tu, desejam sinceramente que fossem assim. Mas não são, não conseguem, são fracos. O caminho mais fácil é sempre o da aparência, o do medo e o da crítica. O caminho mais fácil é sempre vil, que toma tempo, energia e sofrimento. Sofrimento deles, meu e o teu também. Eu te amo querida mas saiba que estamos sujeitos a isso. E enquanto eu fico reclamando de quem critica toda e qualquer roupa que eu vista, sempre, eles se reúnem, um julgando o outro, um se mostrando para o outro, e sempre, sempre invejando o que amor que te dei. São horas, e noites, e meses, e anos… São décadas falando o que há de pior, rindo dos nossos erros, e sofrendo em comunhão por terem almas tão podres, tão fracas. São décadas sonhando, à noite em casa, ou chorando no banheiro do Belmonte, por um momento como o que eu tive a primeira vez que ouvi da tua boca que tu me amavas. E como a ultima, ontem.